CENTRAL DE ATENDIMENTO - (91) 4008-8500

O que são Células-tronco?

 

É um tipo de célula que pode se diferenciar e dar origem a diferentes tecidos no organismo. Esta é uma capacidade especial, porque as demais células geralmente só podem fazer parte de um tecido específico (por exemplo: células do coração só podem constituir coração). Com isso, esta célua exibe um grande potencial de aplicações terapêuticas.

Aplicações Terapêuticas


Atualidade

 

Uma das principais aplicações terapêuticas das Células Tronco é sua utilização em transplante de medula óssea nos casos de doenças hematológicas. As doenças mais comuns onde o transplante autólogo de células tronco é indicado são:

 

- Doença de Hodgkin

- Linfomas Não-Hodgkin

- Mieloma Múltiplo

- Tumores Sólidos (Neuroblastomas, Meduloblastoma, Tumor de Wilms)

- Leucoses Agudas

 

Perspectivas Futuras

 

Células Tronco são a base de uma nova e dinâmica área da prática médica: a Medicina Regenerativa.

As perspectivas terapêuticas de utilização das Células Tronco incluem, dentre outras possibilidades, a:

 

- Regeneração do Músculo Cardíaco

- Doença de Parkinson

- Doença de Alzheimer

- Tratamento de Acidente Vascular Cerebral

- Outros Processos Degenerativos Neurológicos

- Diabetes

- Terapia Gênica

- Terapia do Câncer

- Engenharia Vascular e Neovascularização

- Regeneração de fígado e pâncreas

 

Outra capacidade especial das células-tronco é a auto-replicação, ou seja, elas podem gerar cópias idênticas de si mesmas garantindo uma reserva de células com capacidade de reparo (capacidade de se transformar em diferentes tipos de células).Estas duas características fazem das células-tronco objeto de intensas pesquisas hoje, pois poderiam no futuro funcionar como células substitutas em tecidos lesionados ou doentes, como nos casos de Alzheimer, Parkinson e doenças cardiovasculares em geral, ou ainda no lugar de células que o organismo deixa de produzir por alguma deficiência, como no caso de diabetes.As células-tronco são classificadas como:

 

Totipotentes ou embrionárias

São as que conseguem se diferenciar em todos os 216 tecidos (inclusive a placenta e anexos embrionários) que formam o corpo humano.

Pluripotentes - São as que conseguem se diferenciar em quase todos os tecidos humanos, menos placenta e anexos embrionários.

 

Multipotentes

São àquelas com capacidade de formar diversos tipos de tecidos mas não formam as células reprodutivas (espermatozóide e óvulos).

 

Oligopotentes

Àquelas que conseguem diferenciar-se em poucos tecidos.


Unipotentes

As que conseguem diferenciar-se em um único tecido.As células-tronco totipotentes e pluripotentes só são encontradas nos embriões e existe uma grande discussão sobre sua utilização pois para obtê-las os embriões devem ser desprezados.

 

As porcentagens, no grupo observacional, foram de 85% e 12% 54,55, respectivamente.

Neurologie